Sindicatos de trabalhadores rurais e relações trabalhistas no Rio Grande do Sul (Brasl). O que muda com a crise da COVID-19?

Davide Carbonai, Ronaldo Bernardino Colvero, Taís Martins Camoretto

Resumen


O sindicalismo no Brasil passa por uma profunda transformação em termos de estratégias de mobilização e gestão da estrutura sindical. Além das reformas trabalhistas introduzidas em 2017 pelo governo Temer, e após 2019, com a chegada ao governo de Jair Bolsonaro, a crise da Covid-19 afetou ainda mais o sistema sindical e sua lógica de atuação. O sindicalismo rural não é isento dessas transformações. A pesquisa explora o sindicalismo rural e suas mudanças em decorrência da crise da Covid-19. O estudo utiliza uma típica abordagem qualitativa: foram coletadas vinte entrevistas com trabalhadores assalariados rurais e líderes sindicais do Rio Grande do Sul. As entrevistas foram gravadas, enquanto a análise explorou seu conteúdo. O artigo aprofunda a atuação contra a Covid-19 em três dimensões de análise e explora as semelhanças entre as entidades laborais.

http://id.caicyt.gov.ar/ark:/s25251635/x5c1cj2jp


Palabras clave


assalariado rural; COVID-19; sindicatos de trabalhadores rurais; reforma trabalhista; Rio Grande do Sul

Citas


Brasil (2014). Nota Técnica n. 88. Em Brasil, Ministério do Trabalho e Emprego. Manual de Procedimentos de Registro Sindical. Brasília, DF: MTE.

Dieese (2020). Acordos negociados pelas entidades sindicais para enfrentar a pandemia do coronavírus - COVID 19. Estudos e Pesquisas, 91. https://www.dieese.org.br/estudosepesquisas/2020/estPesq91AcordosCovid.html.

Favareto, A. (2006). Agricultores, trabalhadores: os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21 (62), 27-44. doi.org/10.1590/S0102-69092006000300002

Fetar (2019). Acidentes com máquinas agrícolas. Alterações nas normas regulamentadoras. IV Seminário de segurança e saúde do trabalhador rural. Porto Alegre.

Galvão, A.; Castro, B.; Krein, J. D.; Teixeira, M. O. (2019). Reforma trabalhista: precarização do trabalho e os desafios para o sindicalismo. Caderno CRH, 32(86), 253-270. doi.org/10.9771/ccrh.v32i86.30691

Krein, J. D. (2018). O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: consequências da reforma trabalhista. Tempo Social, 30(1), 77-104. doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2018.138082

Motta, G. S. (2019). Trabalho assalariado e trabalhadores indígenas nos pomares de maçã no Sul do Brasil. Dissertação de doutorado inédita. Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Picolotto, E. L. (2014). A formação de um sindicalismo de agricultores familiares no Sul do Brasil. Sociologias, 16(35), 204-236. doi: 10.1590/S1517-45222014000100008.

Picolotto, E. L. (2018). Pluralidade sindical no Campo? Agricultores familiares e assalariados rurais em um cenário de disputas. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 104, 201-238. doi: 10.1590/0102-201238/104

Rodrigues, O. K.; Fleischmann, R. U.; Ferreira Dos Santos, A. A. (2109). Subnotificação de acidentes do trabalho com morte no estado do Rio Grande do Sul em 2016: discrepâncias das estatísticas previdenciárias oficiais. Revista Escola Judicial do TRT4, 1(1), 151-180.

Vannini, P. (2019). Doing Public Ethnography. How to Create and Disseminate Ethnographic and Qualitative Research to Wide Audiences. Abingdon: Routledge.


Texto completo: PDF XML

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Revista Latinoamericana de Estudios Rurales ISSN: 2525-1635

Licencia Creative Commons