Os sentidos da adesão à economia solidária para os catadores da Paraíba (Brasil)

Thelma Flaviana Rodrigues dos Santos, Iasmim Barbosa Araújo

Resumen


No final da década de 1980, a economia solidária surge como resposta à crise do trabalho assalariado. A criação da Secretaria Nacional de economia solidária, em 2003, fez emergir políticas públicas propondo a inclusão social de grupos vulneráveis através do fomento ao trabalho cooperativo e associado. Visando identificar os sentidos atribuídos pelos catadores de materiais recicláveis à adesão à economia solidária, surge este artigo, com o objetivo de investigar de que maneira estes trabalhadores, situados em uma região economicamente e socialmente periférica como a Paraíba, um estado localizado no Nordeste brasileiro, encontram nos empreendimentos econômicos solidários uma forma de inserção social e econômica. Este artigo traz um recorte e um diálogo dos resultados de duas dissertações de mestrado e uma tese doutoral voltadas à investigação da realidade social do trabalho dos catadores e catadoras de materiais recicláveis. As pesquisas foram realizadas entre os anos de 2016 e 2021. As metodologias adotadas podem ser classificadas como estudos de caso, exploratórias e qualitativas, contando com instrumentos de pesquisa diversos, como observação participante, incursões etnográficas, diário de campo, análise de documentos e, ainda, a realização de entrevistas. Em campo, foram realizadas 60 entrevistas em profundidade com catadores(as), 13 entrevistas temáticas com representantes de entidades de apoio a grupos de catadores e 10 entrevistas temáticas com gestores públicos atuantes com esse público ou com políticas públicas de economia solidária.Observamos que as condições de trabalho e vida dos catadores mudam a partir da adesão à economia solidária, apesar das limitações das conquistas desse movimento.

http://id.caicyt.gov.ar/ark:/s25912755/fyw9revae

Palabras clave


economia solidária; inclusão social; catadores de materiais recicláveis

Citas


Auyero, J.; Hernández, M.; Law, S. (2022). How do the urban poor survive? A comparative etnography of subsistence strategies in Argentina, Ecuador and Mexico. Qualitative Sociology 45, 1-29. DOI: https://doi.org/10.1007/s11133-021-09494-z.

Barbosa, A. de F. (2003). A Formação do Mercado de Trabalho no Brasil:da Escravidão ao Assalariamento. Tese de Doutorado. UNICAMP.

Cardoso, A. (2013). Ensaios de Sociologia do Mercado de Trabalho Brasileiro. Rio de Janeiro: FGV.

Culti, M. N. (2007). Economia solidária: Incubadoras Universitárias e Processo Educativo. Revista Proposta-FASE.

Gadotti, M. (2009). Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire.

Gaiger, L. I. (2003). A economia solidária diante do modo de produção capitalista.Caderno CRH (39), 181-211.

Ismael, R. (2015). “A SUDENE e o enfrentamento dos problemas do Nordeste na Nova Ordem Constitucional”. En: Nascimento, A. e Lima, M. C. (orgs). O Nordeste Brasileiro em Questão: Uma Agenda para Reflexão (114-135). Kiron.

Kowarick, L. (1994). Trabalho e Vadiagem: a origem do trabalho livre no Brasil. São Paulo: Paz e Terra.

Leite, M. de P. (2009). A economia solidária e o trabalho associativo: teorias e realidades. Revista Brasileira de Ciências Sociais 24 (69), 31-51.

Leite, M. de P. (2012). “Cooperativas e trabalho: um olhar sobre o setor de reciclagem e fábricas recuperadas em São Paulo”. En: Georges, I.P.H.; Leite, M. de P. (Orgs). Novas configurações do trabalho e economia solidária (227-268). São Paulo: Annablume; Fapesp.

Leite, M. de P.; Araújo, A.M.C. e Lima, J.C. (2015). O trabalho na economia solidária: entre a precariedade e a emancipação. São Paulo: Annablume.

Leite, M. de P.; Wirth, I.G. e Cherfem, C. O. (2015). “Trabalho e resistência na Reciclagem: Movimento Social, Política Pública e Gênero”. En: Leite, M. de P.; Araújo, A.M.C. e Lima, J.C. O trabalho na economia solidária: entre a precariedade e a emancipação (335-361). São Paulo: Annablume.

Lima, J.C. (2002). As artimanhas da flexibilização: o trabalho terceirizado em cooperativas de produção. São Paulo: Terceira Margem.

Lima, J. C. (2007). “O Trabalho em Cooperativas: Dilemas e Perspectivas”. En: Druck, G. e Franco, T. (org). A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização (69-80). São Paulo: Boitempo.

Lima, J.C. (2015). “Cooperativas de Reciclagem de lixo no Brasil: A autogestão da Pobreza”. En: Leite, M. de P.; Araújo, A.M.C. e Lima, J.C. O trabalho na economia solidária: entre a precariedade e a emancipação (325-333). São Paulo: Annablume.

Lomnitz, L. (1975). Como sobreviven los marginados. Cidade do México; Madrid; Buenos Aires: SigloVeintiuno Editores.

Oliveira, F. de. (2003). A crítica da Razão Dualista. São Paulo: Boitempo.

Pochmann, M. (2004). “Economia solidária no Brasil: Possibilidades e Limites”. Nota Técnica: Mercado de Trabalho – IPEA. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/pub/bcmt/mt_24g.pdf.

Santos, T.F.R. dos. (2016). Contra a Maré: economia solidária e Cooperativa de Catadores em meio ao Capital. Dissertação de Mestrado. PPGCS-UFCG.

Santos, T. F. R. dos. (2018). Política e poética discursiva dos catadores de materiais recicláveis: mecanismos de intervenção na arena social (Brasil). Revista Latinaomericana de Antropología del Trabajo 2 (3). http://www.ceil-conicet.gov.ar/ojs/index.php/lat/article/view/344/209.

Santos, T. F. R. dos. (2020). A organização dos “inorganizáveis”: a experiência coletiva dos catadores e catadoras de materiais recicláveis na Paraíba. Tese de Doutorado. Campina Grande: UFCG. http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/17953

Sardá, M. e Novaes, H.T. (2012). “O sentido histórico da autogestão”. En: BENINI, A. et al (orgs). Gestão pública e sociedade: Fundamentos e políticas públicas de economia solidária. Volume 2 (153-186). São Paulo: Outras Expressões.

Silva, S. P.; Goes, F. L. e Alvarez, A. R. (2013). Situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável – Brasil. Brasília: IPEA.

Singer, P. (2002). Introdução à economia solidária. São Paulo: Perseu Abramo.

Singer, P. (2005). “A economia solidária como ato pedagógico”. In: Kruppa, S. M. P. (org.). Economia solidária e educação de jovens e adultos (13-20). Brasília: Inep.

Souza, A. R. (2013). Os laços entre igreja, governo e economia solidária. São Carlos: EdUFSCar.

Véras de Oliveira, R. (2015). “Desenvolvimento e trabalho no Nordeste: Velha Nova problemática”. En: Nascimento, A. e Lima, M. C. (orgs). O Nordeste Brasileiro em Questão: Uma Agenda para Reflexão (42-80). Editora: Kiron.

Wellen, H. (2012). Para a crítica da economia solidária. São Paulo: Outras Expressões.


Texto completo: PDF XML

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Revista Latinoamericana de Antropología del Trabajo ISSN 2591-2755

Licencia Creative Commons
Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional