Os sentidos do trabalho para a ressocialização do apenado no Brasil

Maria Fernanda Oliveira Mourão, Leandro Luciano Silva Ravnjak

Resumen


O presente estudo tem como objetivo analisar as perspectivas do trabalho para o reeducando no sistema prisional. O estudo baseia-se na metodologia de Minayo (1994), que identifica um ciclo de pesquisa composta por uma fase exploratória, o trabalho de campo e o tratamento do material coletado. A fase exploratória e a de pesquisa de campo se delimitou a captar e revelar a perspectiva ontológica do sujeito que entrou no sistema carcerário e teve a oportunidade de ingressar no projeto Para Além das Prisões. As entrevistas ocorreram no campus Universitário Darcy Ribeiro, no período de outubro e novembro de 20191. Posto isso, encontra-se como ponto central da pesquisa o trabalho como forma de dirimir a alienação e estranhamento dos indivíduos dentro do cárcere, bem como suas perspectivas para a convivência social do egresso, percebendo que o trabalho funciona como uma conexão eficaz para diminuir os índices de reincidência e transformar ontologicamente o indivíduo. Conclui-se dessa forma que é imprescindível a transformação da estrutura do cárcere para que, além de cumprir a função social da pena, provoque o individuo na sua autonomia, responsabilidade e inclusão social, por meio do trabalho na ontologia da questão, a ponto de verificar como tais vieses se comportam no campo prático e empírico.

 

http://id.caicyt.gov.ar/ark:/s25912755/yfk9jftvu


Palabras clave


trabalho; reeducando; ressocialização

Citas


Aguiar, R. (1990), Direito, poder e opressão. São Paulo: Alfa Ômega.

Antunes, R. (2010), Os Sentidos do Trabalho. São Paulo: Boitempo.

Baratta, A. (1999), Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do direito penal. Rio de Janeiro: Revan.

Batistela, J. e M. Amaral (2008), Breve Histórico do Sistema Prisional. Etic - encontro de iniciação científica.

Beccaria, C. (2001), Dos Delitos e das Penas. São Paulo: Martin Claret.

Brasil. (1991) Lei de Execução Penal. Portal da Legislação.

Brasil. (1830) Código Penal 1830. Portal da Legislação.

Cunha, R. (2020), Manual de direito penal: parte geral (arts. 1º ao 120º). Salvador: JusPODIVM.

Cunha Júnior, D. (2018), Curso de direito constitucional. Salvador: JusPODIVM.

Durão, A. B. e J. Garcia (2017), A Revolução Francesa Segundo Kant. (161-179) Conjectura: Filos. Educ., Caxias do Sul.

Escane, F. (2013) A responsabilidade do Estado na ressocialização do sentenciado. Tese (Doutorado em Direito) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Foucault, M. (1999), Vigiar e Punir. Rio de Janeiro: Word Books.

Goffman, E. (1961), Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva.

Goffman, E. (1922-1982) Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, LTC.

Hegel, G. (1974), A Fenomenologia do Espírito. Ed. Abril. Col. Os Pensadores.

Marques, D. (2017), Programa de ressocialização e prestação de serviço de pessoas privadas de liberdades em Montes Claros.

Marx, K. (1996), O Capital: Crítica à economia política. Tomo 2. São Paulo: Nova Cultural.

Melossi, D. e M. Pavarini (2006), Cárcere e Fábrica – As origens do sistema penitenciário (século XVI – XIX.) Rio de Janeiro: Revan.

Mirabete J. e R. Fabbrini (2012), Manual de Direito Penal – v. 1, São Paulo: Atlas.

Minayo, M. (1994), Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. (pp. 9-29). Petrópolis, RJ: Vozes,

Rocha, G. (2015), O processo de ressocialização do preso frente à Teoria do Labelling Approach: uma ameaça ao princípio da dignidade da pessoa humana. Jus.com.br.

Rusche G. e O. Kirchheimer (1999), Punição e Estrutura Social. Coleção Pensamento Criminológico. Ed. Reven.

Shecaira, S. (2004), Criminologia. São Paulo: RT.

Silva, R. (2007), Breves considerações sobre a história da pena no direito brasileiro. Revista Unicesumar: ciências humanas e sociais aplicadas.

Teixeira, A. (2018), Direito penal, reprodução das relações capitalistas e criminalização dos marginalizados no Brasil. PPGDS – UNIMONTES.

Varella, D. (1999), Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras.

Zaffaroni, E. (1991), Em busca das penas perdidas: a perda da legitimidade do sistema penal. Rio de Janeiro: Revan.


Texto completo: PDF XML

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Revista Latinoamericana de Antropología del Trabajo ISSN 2591-2755

Licencia Creative Commons
Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional