O Capital selvagem: mobilidade e superexploração do trabalho

Gil Felix

Resumen


O artigo analisa os processos históricos de desenvolvimento das frentes de expansão na Amazônia Oriental brasileira enquanto expressão de um processo histórico mais amplo de reprodução da dependência e da superexploração do trabalho a partir de dados produzidos por meio de entrevistas e de observações de natureza etnográfica em pesquisa de campo realizada junto a um grupo de trabalhadores em trânsito por conta de um grande projeto da indústria da mineração. Em seguida, considerando esses dados e alguns aspectos das transformações recentes do mundo do trabalho, o artigo analisa a relação entre as atuais condições de circulação da força-de-trabalho e as morfologias sociais de deslocamento e de reprodução dos trabalhadores. Por fim, apresenta considerações a respeito de algumas implicações teóricas desses processos em curso no mundo do trabalho para as releituras que vêm sendo apresentadas sobre o conceito de superexploração do trabalho hoje.

 

ark:/s25912755/wrxgahhah


Palabras clave


superexploração do trabalho; mobilidade; teoria marxista da dependência; peão-de-trecho, mineração; agropecuária; Amazônia

Citas


Abdelnour, S.; Bernard, S. (2018) “Vers un capitalisme de plateforme?”, La nouvelle revue du travail, 13. Available from: http://journals.openedition.org/nrt/3797 (Acessado em 23 Novembro 2019).

Antunes, Ricardo. “A nova morfologia do trabalho e suas principais tendências: informalidade, infoproletariado, (i)materialidade e valor”. In: Antunes (org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II. São Paulo: Boitempo, 2013.

Bambirra, Vania (1978), Teoría de la dependencia: una anticritica, Mexico, Era.

Bihr, A. (1991), Du “Grand Soir” a “L’Alternative”, Paris, Les Éditions Ouvrières.

Carcanholo, Marcelo (2013), "(Im)precisiones acerca de la categoría superexplotación de la fuerza de trabajo”, Razón y Revolución, 25: 91-124.

Cardoso, F. H. (1972), “Dependency and development in Latin America”, New Left Review, 74: 83-95.

Cardoso, F. H. (1973), “Industrialization, dependency and power in Latin America”, Berkeley J. Sociology, 17: 79-95.

Cardoso, F. H. (1995), “Teoría de la dependencia: análisis concreto de situaciones de dependencia” [1970], Politica y Sociedad, 17: 107-116.

Carneiro, Marcelo (2013), “Mineração, siderurgia e desenvolvimento na Amazônia Oriental: um balanço da experiência do programa grande Carajás”. In: Carneiro, Terra, trabalho e poder, São Paulo, Anablume.

Casanova, Pablo González (2009), “El colonialismo interno” [1969], In: De la sociología del poder a la sociología de la explotación: pensar América Latina en el siglo XXI, Bogotá, Siglo del Hombre Editores y Clacso.

Castel, Robert (1998), As metamorfoses da questão social, Petropolis, Vozes.

Castro, Edna (1994), “Industrialização, transformações sociais e mercado de trabalho”. Papers do NAEA 23, Belém, NAEA.

Centro de Educação, Pesquisa e Assessoria Sindical e Popular (2010), Impactos da mineração no sudeste paraense. Marabá: CEPASP.

Chilcote, R. (1978), “A question of Dependency”, Latin American Research Review, 13 (2): 55-68.

Chilcote, R. (1981), “Issues of Theory in Dependency and Marxism”, Latin American Perspectives, 8(3/4): 3-16.

Comissão Pastoral da Terra (2013), “Histórico da luta contra a mineração”, Tucumã, CPT, mimeo.

Cueva, A. (1979), “?Vigencia de la ‘anticritica' o necesidad de autocritica?”, In: Teoría social y procesos políticos en América Latina, México, Edicol.

Cueva, A. (2008), “Problemas y perspectivas de la teoría de la dependencia” [1974], In: Entre la ira y la esperanza y otros ensayos de crítica latinoamericana, Bogotá, Siglo del Hombre/CLACSO.

Faletto, E., Cardoso, F. H. (1979), Dependency and development in Latin America, Berkeley, University of California Press.

Felix, Gil (2008), O caminho do mundo: mobilidade espacial e condição camponesa numa região da Amazônia Oriental, Niterói, Editora da Universidade Federal Fluminense.

Felix, Gil (2008b), “Desenraizamento social, superexploração do trabalho e mobilidade espacial no sudeste do Pará”. Anais do XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Artigo disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/1702/1662 (Acessado em 23 Novembro 2019).

Felix, Gil (2013), “Mobilidade espacial e superexploração do trabalho: desafios teóricos e metodológicos da análise de processos de proletarização na Amazônia Oriental”, X Reunión de Antropología del Mercosur, Cordoba.

Felix, Gil (2015), “Rotatividade, supercirculação, superexploração: análise de formas contemporâneas de circulação mercantil da força de trabalho”, Actas de la XI Reunión de Antropología del Mercosur. Diálogos, prácticas y visiones desde el Sur, Montevideo.

Felix, Gil (2016), “Trabalho e mobilidade: atração de trabalhadores numa área de expansão da mineração industrial no Brasil”, III International Conference Strikes and Social Conflicts: Combined historical approaches to conflict. Proceedings, Barcelona, CEFID-UAB, p. 726-736.

Felix, Gil (2019), Mobilidade e superexploração do trabalho: o enigma da circulação, Rio de Janeiro, FAPESP/Lamparina.

Felix, Gil (2020), “Super-Circulation: Towards a Political Economy of Platformisation”, Critical Sociology, 46(7-8), p.1221-1232.

Felix, Gil (2021), “O anticapitalismo dos surdos (prólogo)”, In: Felix e Lage (orgs.). Capitalismo e surdez, Bremen, El Tiple.

Felix, Gil (forthcoming), “On the concept of reserve army of labor in Ruy Mauro Marini”, Latin American Perspectives.

Felix, Gil; Guanais, Juliana (2018), Superexploração do trabalho no século XXI: debates contemporâneos”, Marília, Práxis.

Felix, Gil; Guanais, Juliana (2019), Superexplotación del trabajo en el siglo XXI, Bremen, El Tiple.

Felix, Gil; Sotelo Valencia, Adrián (2019), “A superexploração do trabalho: uma perspectiva da precariedade e da condição proletária a partir da teoria da dependência”, Astrolabio Nueva Época, 23, p. 1-26.

Fontes, Edilza (2003), “O peão de trecho e o peão de casa: identidade operária entre os trabalhadores da construção civil de Barcarena no canteiro de obras da Albras/Alunorte”, Novos Cadernos NAEA, 6(1), 65-82.

Gaudemar, J.-P. (1977), Mobilidade do trabalho e acumulação de capital, Lisboa, Editorial Estampa.

Guimarães Neto, Regina (2003), “Vira mundo, vira mundo: trajetórias nômades. As cidades na Amazônia”, Projeto História, (27), p. 49-69.

Gunder Frank, Andre (1964), Capitalism and underdevelopment in Historical Studies of Chile and Brazil, New York, Month Rev.

Gunder Frank, Andre (1967), Capitalism and underdevelopment in Latin America, New York, Month Rev.

Gunder Frank, Andre (1975), On capitalism underdevelopment, New York, Oxford Univ. Press.

Gunder Frank, Andre (2005), “A agricultura brasileira: capitalismo e mito do feudalismo” [1964], In: Stedile (org). A questão agrária no Brasil, São Paulo, Expressão Popular.

Ianni, Octavio (1984), Origens agrárias do Estado brasileiro, São Paulo, Brasiliense.

Katz, Claudio (2017), “Aciertos y problemas de la superexplotación”, disponível em: http://katz.lahaine.org/b2-img/ACIERTOSYPROBLEMASDELASUPEREXPLOTACIN.pdf. (Acessado em 23 novembro 2019).

Kufakurinani, U. et al. (eds) (2017), Dialogues on development (vol. 1: dependency), Institute for New Economic Thinking.

Leal, Aluizio Lins (1996), “Grandes projetos amazônicos: dois casos precursores”, Tese em História Econômica, USP, 1996.

Lojkine, J. (1992), La Révolution Informationnelle, Paris, PUF.

Marini, Ruy M. (1973), Dialéctica de la dependencia, México, Era.

Marini, Ruy M. (1974), Subdesarrollo y revolución, México, Siglo XXI.

Marini, Ruy M. (1976), El reformismo y la contrarrevolución: estudios sobre Chile, Mexico, Era.

Marini, Ruy M. (1979), “El ciclo del capital en la economía dependiente”, In: Oswald (coord), Mercado y dependencia, México, Nueva Imagen.

Marini, Ruy M. (s/d), Memória, Disponível em: http://www.marini-escritos.unam.mx/001_memoria_marini_port.html (Acessado em 23 Novembro 2019).

Marx, Karl (2008), O Capital. Livro III, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

Marx, Karl (2013), O Capital. Livro I, São Paulo, Boitempo.

Marx, Karl (2014), O Capital. Livro II, São Paulo, Boitempo.

Nash, June (1981), “Ethnographic Aspects of the World Capitalist System”. In: Annual Review of Anthropology, Vol. 10(1). p. 393-423.

Nash, June (1993), We eat the mines and the mines eat us: dependency and exploitation in Bolivian tin mines. New York: Columbia Univ. Press.

Oliveira Filho, João P. (1979), “O caboclo e o brabo: notas sobre duas modalidades de força de trabalho na expansão da fronteira amazônica do século XIX”. In: Silveira, E. (Org.). Encontros com a civilização brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Oliveira, Francisco (1976), “A produção dos homens: notas sobre a reprodução da população sob o capital”, Disponível em: http://www.cebrap.org.br/v2/files/upload/biblioteca_virtual/a_producao_dos_homens.pdf (Acessado em 23 Novembro 2019).

Osorio, Jaime (2017), “Teoría marxista de la dependencia sin superexplotación. Una propuesta de desarme teórico para avanzar”, disponível em: http://marxismoyrevolucion.org/wp-content/uploads/2017/09/Teor%C3%ADa-marxista-de-la-dependencia-sin-superexplotación.pdf. (Acessado em 23 novembro 2019).

Ribeiro, Gustavo Lins (1987), “Cuanto más grande mejor?’ Proyectos de Gran Escala: una forma de producción vinculada a la expansión de sistemas económicos”, Desarrollo Económico, 105, p. 3-27.

Ribeiro, Gustavo Lins (1991), Empresas transnacionais: um grande projeto por dentro, Sao Paulo, Editora Marco Zero/Anpocs.

Roberts, J. T. (1995), “Subcontracting and the omitted social dimensions of large development projects: household survival at the Carajás mines in the Brazilian Amazon”, Economic Development and Cultural Change, 43, p. 735-758.

Santos, Theotonio dos (1973), “The crisis of development theory and the problem of dependency in Latin America”, In: Underdevelopment and development, Hammondsworth, Penguin.

Santos, Theotonio dos (2000), A teoria da dependência: balanço e perspectivas, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

Sennett, R. (1998), The Corrosion of Character, London, W Norton & Company.

Smith, J. (2016), Imperialism in the Twenty-First Century: Globalization, Super-Exploitation and Capitalism’s Final Crisis. New York, NY: Monthly Review Press.

Sotelo Valencia, Adrián (2016), The future of work: super-exploitation and social precariousness in the 21st Century, Leiden, Brill.

Sotelo Valencia, Adrián (2017), “Crítica a la crítica de Katz a Marini: ¿una teoría de la dependencia sin superexplotación? Mejor una teoría de la dependencia con superexplotación revisitada y actualizada”, disponível em: http://rebelion.org/docs/235669.pdf. (Acessado em 23 novembro 2019).

Sotelo Valencia, Adrián (2017), Sub-imperialism revisited: dependency theory in the thought of Ruy Mauro Marini, Leiden, Brill.

Spencer N, Holts K, Huws U, et al. (2019), The Platformisation of Work in Europe, Brussels, Foundation for European Progressive Studies.

Srnicek, N. (2016), Platform Capitalism, Cambridge, Polity Press.

Stavenhagen, Rodolfo (1981), “Siete Tesis Equivocadas Sobre América Latina” [1965], Sociología y Subdesarrollo, México, pp. 15‐84.

Sunkel, Osvaldo (1972), “Big bussiness and dependencia”, Foreign aff., 50: 517-531.

Sunkel, Osvaldo (1973), “Transnational capitalism and national disintegration”, Soc. Econ. Stud., 22: 132-176.

Velho, Otavio (1972), Frentes de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica, Rio de Janeiro, Zahar.

Velho, Otávio (1982), Sociedade e agricultura, Rio de Janeiro, Zahar.

Weffort, F. (1995), “Notas sobre la teoría de la dependencia. ¿Teoría de clase o ideología nacional?” [1970], Politica y Sociedad, 17: 97-105.

Wolf, Eric (1982), Europe and the people without history, Berkeley, University of California Press.

Worsley, Peter (1973 [1964]), El tercer mundo, Mexico, Siglo Veintiuno Eds.


Texto completo: PDF XML

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Revista Latinoamericana de Antropología del Trabajo ISSN 2591-2755

Licencia Creative Commons
Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional